Uma idéia que virou realidade...

Pessoal,

Como todos sabem, pelo menos aqueles que me conhecem, sou apaixonado pela temática ambiental. E após muito refletir, decidi criar este blog para expor minha idéias e tentar divulgar notícias, inovações nesta área, e claro, opiniões e análises críticas do que vem ocorrendo no mundo da sustentabilidade.

Peço que comentem, sugiram assuntos, critiquem, enfim, que este seja um espaço para discutirmos os mais variados assuntos.

Beijos e abraços a todos!

Jean Marc Sasson

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Coluna Ambiente Energia de 10/10/2011 - Mobilidade: transporte com menos carbono


Por Jean Marc Sasson - Em meio à comemoração do dia mundial sem carro, celebrado em 22 de setembro, uma reflexão sobre o cenário do transporte urbano atual se faz necessária.
O transporte municipal disponibilizado à população brasileira, em vez de ser a solução para mobilidade urbana, sem dúvidas, tem se tornado um dos grandes problemas urbanos e ambientais deste século.
Globalmente, o setor de transporte é uma das principais fontes de emissão de gases de efeito estufa, responsável por 13% das emissões e com projeção de alcançar 40% em 2030. No Brasil, atualmente, representa apenas 6% das emissões frente ao setor de desmatamento que sozinho é responsável por 65% de nossas emissões.
Isoladamente, o desempenho ambiental do setor de transporte não é preocupante. Contudo, claramente, é um setor com oportunidades de melhoria, principalmente no tocante à mobilidade.
O Brasil tem hoje uma frota de 21.140 milhões automóveis, 4.336 milhões veículos comerciais leves, 1.743 milhão caminhões, 315 mil ônibus e 9.222 milhões de motocicletas. A frota total que inclui ainda utilitários, tratores e outros veículos já supera 68.5 milhões de unidades. Na sua grande maioria são veículos individuais que trazem grandes implicações aos grandes centros urbanos, como aumento no trânsito, maior emissão de gases poluentes, ausência de espaço para estacionar o veículo, flanelinhas etc.
Apesar do aumento vertiginoso da frota de veículos no Brasil, o nível de emissões de gases poluentes tem caído no país. Os dados são do 1º Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por Veículos Automotores Rodoviários, lançado em 2010 na Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Este inventário indica, porém, que o setor de transportes é o que mais causa impactos na qualidade do ar. Somente a frota rodoviária é responsável por 90% das emissões de gases poluentes, como o monóxido de carbono (CO), óxidos de nitrogênio (Nox), hidrocarbonetos não-metano (NMHC), aldeídos (RHCO), material particulado (MP) e emissões evaporativas, além de gases do efeito estufa, como dióxido de carbono (CO2) e metano (CH4), gases regulamentados pelo Programa de Controle da Poluição por Veículos (Proconve).
Estas emissões se dão principalmente em razão da frota brasileira ser composta em sua grande maioria por veículos antigos. Embora a legislação brasileira permita uma descarga de até 0,5g, a frota antiga emite cerca de 116 vezes mais poluentes, podendo emitir até 58g de poluentes na atmosfera, contra os 0,3g emitidos pela nova frota.
Há, no entanto, a expectativa de que futuramente ocorra uma melhoria neste cenário.  Através de estímulos federais como a diminuição do IPI, instituição do selo verde emitido pelo Ministério do Meio Ambiente classificando o nível de poluição de cada modelo veicular, a obrigatoriedade de vistoria anual dos carros e, sobretudo, a entrada no mercado de carros elétricos que deveriam ser subsidiados pelo governo para diminuir o preço final de venda.
Em que pese a renovação da frota, esta não é uma solução definitiva para a diminuição das emissões. Tendo em vista que as tecnologias utilizadas para esse fim já atingiram um nível alto de eficiência, nos próximos anos não teremos grandes ganhos com o aumento da eficiência automotiva.
Assim, investimentos em novos biocombustíveis e adequação das alternativas de transporte coletivo público são fundamentais para impactar cada vez menos o meio ambiente.
Os biocombustíveis, liderado pelo álcool, têm conquistado cada vez mais espaço na frota brasileira. As fabricantes buscam cada vez mais soluções ambientalmente corretas e vislumbram nos veículos flexgrandes oportunidades. Estes veículos podem ser abastecidos tanto à gasolina quanto a álcool. Este último, derivado da cana de açúcar, possui emissão zero se considerarmos seu ciclo de vida. A mesma quantidade de gás carbônico sequestrado da atmosfera na plantação da cana de açúcar será lançada na atmosfera na utilização do combustível. Contudo, em épocas de entressafra a procura pela gasolina é maior, tornando imperioso o investimento em outros biocombustíveis para subsidiar esta época.
Biocombustíveis são importantes e interessantes, principalmente na perspectiva ambiental. Todavia, não devem ser o foco. Ao analisar o tempo médio gasto pelo carioca para ir ao trabalho percebe-se que não existe mobilidade na segunda maior cidade brasileira. Gasta-se em média duas horas, 39 minutos a mais que em 2009, segundo Pesquisa de Percepção 2011 do Rio Como Vamos. E este tempo tende a piorar.
Outra pesquisa, do programa de Engenharia de Transportes da Coppe, realizada no Rio de Janeiro e Porto Alegue, analisou o percurso de duas pessoas que percorriam 7km para ir ao trabalho e outros 7km para voltar para casa durante dois meses. Em um trajeto de 14 km o tempo gasto foi de 70 minutos de ônibus, 60 minutos de carro e 50 minutos de bicicleta. Isso demonstra que se locomover de carro é mais vantajoso do que de ônibus. Além de ser mais rápido, é mais cômodo e confortável. Para que o ônibus seja considerado, pelo menos o tempo percorrido, deverá ser melhor.
Este cenário é totalmente equivocado. O verdadeiro investimento deve ser feito no transporte público coletivo e em ciclovias.
Até porque nesta pesquisa ainda ficou constatado que andar de carro custa seis vezes mais caro que andar de bicicleta e duas vezes mais que de ônibus. No cálculo foram contabilizadas as despesas com a aquisição de acessórios, depreciação, manutenção, impostos e custos sociais como acidentes que são gastos públicos. O estudo concluiu que, além de mais rápida, a bicicleta consome cerca de R$ 0,12 por quilômetro rodado, enquanto o ônibus gasta R$ 0,32 e o automóvel, R$ 0,76.
Apesar desses números, o carro continua sendo a preferência popular. Devemos antes de tudo mudar conceitos.
Em regra, o transporte em massa deve ser priorizado. Quando se vive em sociedade, o coletivo deve prevalecer. Enquanto não houver incentivos governamentais, o transporte individual sobressairá. Estruturar o transporte coletivo é obrigação municipal conforme descrito na Constituição Federal. É de competência constitucional municipal a organização e prestação deste serviço público, mediante concessão ou permissão. Ocorre que só observamos ações neste sentido diante de grandes eventos. Enquanto países europeus com menos da metade na nossa população estimulam o transporte coletivo taxando veículos individuais nos horários de pico, construindo quilômetros de ciclovia e ferrovias para evitar os distúrbios urbanos supramencionados, o Brasil não tem sequer uma política pública para o transporte coletivo urbano. O Rio de Janeiro, por exemplo, apenas em decorrência da Olimpíada é que começou a construir BRT´s, novas linhas de metrô etc.
Esta última é a que identifico como a melhor opção dentre todas as opções de transporte público. O transporte coletivo sobre trilhos além de emitir substancialmente menos gases poluentes, não compete por espaço nas vias públicas com os veículos. Podem ser subterrâneos – a melhor opção – ou suspensos. Os investimentos iniciais são bem maiores, mas o ganho na mobilidade urbana também o serão. Cidades como Nova Iorque, Londres e Paris perceberam estas vantagens já no século passado. A China, com seu crescimento econômico exponencial, é um dos países que mais investem nesta modalidade. Os chineses são hoje os maiores compradores de veículos em detrimento da tradicional bicicleta. Com investimentos cada vez maiores nesta modalidade, a China pretende criar alternativas para seus bilhões de habitantes.
Uma opção mais barata e não menos vantajosa seria os BRT´s(Bus Rapid Transit). Implantados em Coritiba desde 1979 e somente agora no Rio de Janeiro, priorizam a circulação de coletivos em detrimento de veículos individuais nas vias públicas não expressas. Ao estreitar o espaço permitido para veículos individuas, conseqüentemente diminui o seu tempo de locomoção, enquanto aumentariam o dos coletivos. Mas diminuir o tempo de viagem não é o bastante. Deve-se melhorar a qualidade dos veículos coletivos. É inaceitável que em um país tropical, cuja temperatura média anual é de aproximadamente 27ºC, ônibus e trens não possuam ar condicionado e comodidade aceitável.
A instituição de BRT´s estimula a circulação de ônibus, o que leva a pensar que as emissões destes veículos seriam maiores pela utilização de diesel. Na prática, a quantidade de emissões é compensada pelo número de passageiros transportados.  Para se ter uma ideia, um usuário de automóvel emite quase oito vezes mais CO2 que um usuário de ônibus e 36 vezes mais que um usuário de metrô. Além disso, já há iniciativas para a substituição do diesel por combustíveis mais limpos como GNV, hidrogênio e eletricidade.
Por fim, a modalidade que considero a mais limpa, simples, barata, democrática e saudável. A bicicleta. Emissão zero de gases de efeito estufa, exceto na sua fabricação, este meio de locomoção tem autonomia limitada ao fôlego do usuário. Não gera trânsito ou poluição atmosférica. Contudo, está longe de ser o modal preferido. O município deveria disponibilizar a maior extensão possível de ciclovias, de preferência que alcance a cidade inteira, integrar as ciclovias aos principais meios de transporte coletivos como ônibus e metrô e incrementar ações de aluguel de bicicleta, disponibilizando pontos de aluguel na cidade inteira.
Não podemos exigir menos de nossos governantes. O transporte é algo que transforma a cidade. Está intimamente ligado à felicidade de seus habitantes. Vamos transportar nossas cidades à sustentabilidade.
*Jean Marc Sasson é advogado com especialização em gestão ambiental pela COPPE/UFRJ e colunista do Portal Ambiente Energia. Ele também é editor do blog Verdejando (www.verdejeando.blogspot.com)/14510

http://www.ambienteenergia.com.br/index.php/2011/10/mobilidade-transporte-com-menos-carbono/14510

2 comentários:

  1. Muito interessante. Sobre o tema também visite: www.cleantechplanet.blogspot.com

    Abraço.

    Tiago.

    ResponderExcluir
  2. Tiago,

    Obrigado pela visita!
    Volte sempre!

    ResponderExcluir